quinta-feira, 8 de novembro de 2012

100 - Poemas Ébrios - Juarez de Oliveira

Foto:UNIVERSO

100
Há quem diga da minha idiotice,
essa de manter-me escritor,
num mundo de mentes conturbadas,
de agressões desnecessárias,
de fugas injustificadas,
de omissões imperdoáveis.
Não sou senhor da verdade,
mas senhor da minha verdade,
da necessidade que tenho
de cuidar de mim,
carne exposta à agressividade
física de homens armados
pela estupidez e pelo desrespeito.
Não agrido ninguém.
Meus escritos brotam silenciosos,
repletos de verdades,
nem todas retratos da vida,
algumas frutos de quem sonha.
Sou, sim, sou também um sonhador.
Sonho a pacificação dos homens,
sonho o amor abertamente declarado,
sonho o abraço fraterno,
sonho a vida que constrói.
O mundo é espaço de todos.
Nada foi por nós edificado.
Tudo foi deixado a todos nós.
Nada foi cobrado de nós,
senão a preservação de tudo.
Recolham as armas.
Criem espaço para o amor.
Em tempo de paz,
todos seremos reis!
--
(Juarez de Oliveira)

Dica do amigo Adenir Balmant, flumineiro quase Campeão do Brasileirão de 2012