segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Elegia do amigo morto - Lya Luft

"Apesar da todo o dilaceramento, solidão e lágrimas, a morte tem um poder limitado: seu dedo cruel e ossudo não consegue encontrar a tecla com que deletar nossos melhores afetos"

Lya Luft - escritora - in Elegia do amigo morto - Veja de 15 de fevereiro de 2012
Imagem: Internet