domingo, 24 de janeiro de 2010

Canção para buscar-te - Ana Cristina Couto

Foto: Dulcineia e o Mar - Portocroft.cultarte.com
Deixarei que o vento perpasse
o meu ser e dele retire
teu nome, teu gesto, teu vulto
para que eu possa respirar.
Deixarei que as estrelas roubem
teu brilho e em seu olhar azul
prenda-o, assim, verei luzir
uma outra vez o meu olhar.
E deixarei que o mar te alcance
com sua voz potente e rouca
para que eu possa ouvir em mim
a minha voz, já quase morta.

E deixarei que o tempo leve
a solidão que o teu silêncio
bordou nas fimbrias do meu ser,
naquela tarde que chovia,
E depois de tudo... ah! depois
quero ver minha alma cansada
ainda assim te procurar
sofregamente e nada, nada,
nada de ti reencontrar.

Talvez que sabe não te achando,
desesperada, e louca, e tonta,
se volta pra si, sonâmbula,
para encontrar-se, enfim, a sós.

Mas, como poderei achar-me
se não estiveres em mim?
Pois é no teu caminho vago
que traço o meu destino andante
de estrela, de rio, de vento,
margeando sempre a solidão.

(Ana Cristina Couto, amiga querida)

Enviado pelo amigo e "brimo" do Rio de Janeiro, Ipanema, Leblon e adjacências, Luiz Germano Alvarenga. Leia o Blog do Alvarenga, é de muito bom gosto.
Recomendo a leitura do Blog - portocroft.cultarte.com