segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Sentimental - Carlos Drummond de Andrade

Ponho-me a escrever teu nome

com letras de macarrão.

No prato, a sopa esfria, cheia de escamas

e debruçados na mesa todos contemplam

esse romântico trabalho.

Desgraçadamente falta uma letra,

uma letra somente para acabar teu nome!

Está sonhando? Olhe que a sopa esfria!

Eu estava sonhando...

E há em todas as consciências um cartaz amarelo:

"Neste país é proibido sonhar."

Carlos Drummond de Andrade. In: Reunião: 10 Livros de Poesia. 10ª ed. Rio de Janeiro,

José Olympio Editores, 1980, pág. 12

Carlos Drummond de Andrade nasceu em Itabira do Mato Dentro - MG, em 31 de outubro de 1902. De uma família de fazendeiros em decadência, estudou na cidade de Belo Horizonte e com os jesuítas no Colégio Anchieta de Nova Friburgo RJ, de onde foi expulso por "insubordinação mental". De novo em Belo Horizonte, começou a carreira de escritor como colaborador do Diário de Minas, que aglutinava os adeptos locais do incipiente movimento modernista mineiro.

Ante a insistência familiar para que obtivesse um diploma, formou-se em farmácia na cidade de Ouro Preto em 1925. Fundou com outros escritores A Revista, que, apesar da vida breve, foi importante veículo de afirmação do modernismo em Minas. Ingressou no serviço público e, em 1934, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde foi chefe de gabinete de Gustavo Capanema, ministro da Educação, até 1945. Passou depois a trabalhar no Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e se posentou em 1962. faleceu no Rio de janeiro em 17 de agosto de 1987, aos 84 anos, doze dias após a morte de sua única filha a escritora Maria Julieta Drummond de Andrade.

Enviado pela nova e já querida amiga Leda Lucas, que tem um blog de excelente beleza e conteúdo. Recomendo a todos uma visita ao blog da Leda. É só clicar no link: www.sedafurta-cor.blogspot.com

Pesquisa e Fotos: Internet - Memória Viva